Mangualde aprova orçamento de 26 ME para obras estruturantes

2018-11-08

Mangualde aprova orçamento de 26 ME para obras estruturantes

um orçamento de 26 milhões de euros, o maior orçamento feito nos últimos anos, muito direcionado para obras estruturantes que foram deixadas ficar para trás durante muitas décadas e que hoje, felizmente, estamos a concretizar", considerou João Azevedo.

Entre as obras estruturantes, o autarca destacou "a água e saneamento, a estação de tratamento de águas residuais, rodovias, regeneração urbana e infraestruturas da educação", uma vez que "o foco é a qualidade de vida dos cidadãos".

"É um super orçamento em termos de investimento público, é também muito virado para o apoio às juntas de freguesia e para algumas obras que vão ser feitas, especialmente a nível rodoviário", acrescentou.

Segundo João Azevedo, o orçamento para 2019 de 26 milhões de euros (o de 2018 foi de 22 milhões de euros) é resultado de "um trabalho enorme feito nos últimos anos, que foi a consolidação de candidaturas aos quadros comunitários de apoio e a projetos lançados pelo Governo e financiados pelo Orçamento do Estado".

"Ou seja, dotámos todo esse esforço financeiro para essas obras financiadas", justificou o autarca socialista de Mangualde, no distrito de Viseu, que disse que "reproduzindo no terreno aquilo que é o investimento externo, mais o do município, é um contributo enorme e um super investimento, o maior investimento de sempre" no concelho.

João Azevedo assumiu que "a Câmara está estabilizada, tem um caminho definido e uma estratégia e um planeamento organizado" e, neste momento, em execução e para executar a curto e médio prazo, "o município tem 22 milhões de euros em obras públicas financiadas entre o dia de hoje e até ao final do quadro comunitário de apoio, 2021".

"A redução da dívida, a 31 de dezembro de 2017, baixou dos 17,200 milhões, aproximadamente, para nove milhões de euros, fruto de uma gestão rigorosíssima dos dinheiros públicos do município, do esforço enorme de todos sem exceção, incluindo os cidadãos que perceberam a situação gravíssima em que nos encontrávamos", destacou.

Neste sentido, adiantou o socialista que assumiu a presidência da autarquia em 2009, o município conseguiu "baixar, em média, um milhão de euros de dívida por ano, uma vez que baixou sensivelmente oito milhões de euros nos últimos oito anos".

"Posso dizer que, na apresentação do relatório e contas do próximo ano, teremos atingido novamente os objetivos a que nos propusemos, que foi a redução, mais uma vez, da dívida. Quero crer que essa redução vai atingir números muito interessantes, ou seja, vamos acompanhar a média da redução da dívida dos últimos oito anos", estimou.

O orçamento para 2019 foi aprovado por maioria em reunião de Câmara, contando com seis votos a favor dos vereadores do Partido Socialista e um contra, do único vereador da oposição, do Partido Social Democrata. Vai a votação à assembleia municipal, em dezembro.

(DN)