Moimenta da Beira apoia a natalidade e adoção

2023-03-16

Moimenta da Beira apoia a natalidade e adoção

“Os primeiros ‘cheques-prenda’ no valor de 1.500 euros por cada nascimento ou adoção foram entregues nesta quinta-feira, às famílias, num total 55 pais de outros tantos bebés nascidos no concelho ao longo dos 12 meses de 2022”, de acordo com um comunicado da autarquia.

O executivo municipal, liderado pelo socialista Paulo Figueiredo, refere que “as famílias terão ainda direito ao reembolso de despesas efetuadas na área do município”.

Um reembolso “no valor de 2.500 euros, ‘vouchers’ de despesas com aquisição de bens e/ou serviços considerados indispensáveis ao desenvolvimento da criança”, como, por exemplo, “frequência de creche, consultas médicas, medicação, artigos de higiene, puericultura, alimentação, vestuário e calçado”.

No total, a Câmara “investe 220 mil euros no primeiro ano do programa “Apoio à Natalidade e Adoção”, uma nova política social de incentivo ao crescimento e à dinâmica demográfica”.

Um apoio que, segundo o executivo, “visa fomentar a natalidade, a economia e a qualidade de vida dos munícipes, tudo para fixar pessoas, mais famílias no concelho” de Moimenta da Beira.

O autarca defendeu que, com este apoio, a autarquia está “a concretizar um dos mais nobres objetivos políticos” a que se propôs, uma vez que “sem pessoas, sem gente no território não há progresso nem dinâmicas sociais e económicas em desenvolvimento”.

“As crianças são o nosso maior ativo, são o nosso futuro, e creio que esta medida de apoio à natalidade e à adoção pode inverter a tendência de desertificação e envelhecimento tão dramática neste nosso interior, que perdeu 25% da sua população nos últimos 40 anos”, justificou.

Segundo o comunicado, o apoio à natalidade e à adoção destina-se às crianças nascidas ou adotadas; à criança registada como natural no concelho; aos indivíduos residentes no Município de Moimenta da Beira à data de nascimento ou adoção que estejam recenseados nos seis meses anteriores.

“Os candidatos devem manter-se recenseados no município pelo período de 10 anos consecutivos e o apoio é concedido até ao terceiro filho”, esclarece ainda a Câmara.