Polo Arqueológico de Viseu com o nome de Almeida Henriques

2021-04-14

Polo Arqueológico de Viseu com o nome de Almeida Henriques

Jorge Sobrado, que renunciou aos pelouros da Cultura, Património, Turismo e Marketing Territorial, passando a vereador não executivo, justificou a proposta com o “papel indelével” de Almeida Henriques na criação do polo e de “um serviço municipal de referência para o património no concelho”.

“A dimensão do polo é inversamente proporcional à sua importância. É um pequeno serviço em tamanho, mas com um significado gigante”, disse Jorge Sobrado à agência Lusa.

O vereador lembra  que, no Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2019, foi aprovado pela Câmara de Viseu, sob sua proposta, o regulamento municipal do PAV.

“Tal proposta e aprovação contaram, ‘ab initio’ (desde o início), com o apoio convicto e incondicional do então presidente do executivo, António Almeida Henriques, que havia inscrito o objetivo da criação de um serviço para o património e de um museu de história da cidade no programa de governo municipal Viseu Primeiro 2017/2021”, recorda o responsável.

Jorge Sobrado espera que a sua proposta seja aprovada, de forma a honrar a “visão estratégica, compromisso inequívoco e importante legado” de Almeida Henriques “numa política de valorização patrimonial municipal e valorizando o PAV com a sua memória”.

Almeida Henriques, que era presidente da Câmara de Viseu desde 2013, morreu no dia 04 deste mês, aos 59 anos, vítima de complicações respiratórias decorrentes da covid-19.