Câmara de Viseu mantém refeições escolares para alunos

2021-01-21

Câmara de Viseu mantém refeições escolares para  alunos

A deliberação do executivo municipal foi tomada após a decisão do Governo, anunciada hoje, de suspender as atividades escolares em todos os escalões de ensino pelo período de 15 dias de forma a travar a propagação do vírus que provoca a covid-19.

Assim, a edilidade vai manter as refeições escolares para todos os alunos do 1º ciclo com escalão A ou B do SASE [Serviços de Ação Social Escolar]. No que respeita ao 2º ciclo e ensino secundário, o apoio vai ser também assegurado, sendo que a gestão, organização e disponibilização das refeições passa por cada um dos agrupamentos escolares, segundo um comunicado da autarquia.

Com o encerramento das escolas a partir desta sexta-feira, a  edilidade adianta que os funcionários vão permanecer nas  escolas durante o dia para esclarecer os pais e apoiar quem não tenha tido acesso à informação.

O autarca Almeida Henriques afirma que “ninguém queria este desfecho, desde logo os pais, em teletrabalho ou não, que certamente terão de adaptar o seu dia-a-dia” e, “especialmente, as crianças, que terão o normal percurso escolar mais uma vez interrompido”.

“Mas era inevitável, pelo que me congratulo e apoio a decisão do Governo” e “não me arrependo de termos lançado, já há duas semanas, esta proposta a nível do concelho, com um claro eco a nível nacional”, sustenta o edil.

No concelho de Viseu  haverá “cinco estabelecimentos de acolhimento que se mantêm abertos”, refere a autarquia, “para apoiar os profissionais de saúde e outros que desempenham funções consideradas indispensáveis, cujos filhos frequentem a escola pública”.

As cinco escolas básicas de acolhimento são a da Ribeira, a Mestre Arnaldo Malho, a Aquilino Ribeiro, a Prof. Rolando Oliveira e a EB 2,3 de Mundão e, “se a procura justificar, e com a preocupação de ajustar às necessidades dos encarregados de educação, poderão ser equacionados novos espaços”.

Durante os 15 dias de suspensão da atividade escolar, que será compensado na Páscoa ou no verão, segundo o Primeiro-ministro, não haverá ensino à distância e a Câmara informa que estão, igualmente, suspensos os transportes escolares durante este período.