Viseu saúda redução das portagens na A24 e A25

2020-11-30

Viseu saúda redução das portagens na A24 e A25

O Município de Viseu congratula-se com a aprovação, em sede de Orçamento de Estado para 2021, do Centro Oncológico de Viseu. “Espero que esta importante infraestrutura de apoio aos nossos doentes oncológicos venha a ter prioridade máxima, e se aproveite o Programa de Recuperação e Resiliência, com uma comparticipação comunitária a 100%, para concretização até final de 2026, data limite para a utilização dos fundos”, sublinha o Presidente da Câmara.

A iniciativa dos Deputados do PSD eleitos por Viseu resultou numa votação que responsabiliza o Parlamento e o Governo, no que respeita a esta matéria. “O Centro Oncológico de Viseu é uma reivindicação que consta das prioridades aprovadas no Conselho da Região Centro, unicamente com uma abstenção, num documento concertado entre todas as Comunidades Intermunicipais da Região Centro”, refere Almeida Henriques. “É de forma concertada que se defendem os interesses de Viseu e da Região. Lamento que alguns coloquem os interesses partidários acima dos anseios das populações”, acrescenta o edil.

De igual forma, o Município de Viseu saúda a redução em 50% das portagens na A24 e na A25 a partir do início de 2021. “É um primeiro passo de discriminação positiva destes territórios do interior, sobretudo em tempos de pandemia, que aconselham o uso de viatura própria nas deslocações”, afirma. Outra decisão igualmente importante, prende-se com a taxa municipal de direitos de passagem (TMDP), que deverá passar a ser suportada pelos operadores, em vez de estar refletida na fatura do consumidor.

O Município vê ainda com bons olhos o princípio de não existirem cortes no fornecimento da água, luz ou gás nos próximos seis meses. “Viseu vai aplicar um desconto de 20% a todos os consumos de água e saneamento, a partir desta terça-feira e até ao final de 2021. Para as famílias que tenham perda de rendimento, o desconto é de 25%, para além de continuarmos a aplicar o tarifário social em vigor e do incremento dos escalões para as famílias numerosas. Desde o início da pandemia, aceita-se também o pagamento em prestações, sem juros, sempre que as famílias tenham dificuldades”, acrescentou Almeida Henriques.

 

 

CMV