Construção de Ecopista do Vouga vai começar

2020-10-28

Construção de Ecopista do Vouga vai começar

O auto de consignação da empreitada foi assinado nesta quarta-feira na presença do  presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões.
Durante a cerimónia, que decorreu esta manhã no Solar do Vinho do Dão, Rogério Abrantes afirmou que “há muitos anos este dia era ambicionado”.

A ecopista do Vouga, que vai ser construída sobre o antigo ramal ferroviário da linha do Vouga, vai atravessar os concelhos de São Pedro do Sul, Vouzela , Oliveira de Frades e Viseu. E na cidade de Viriato terá ligação à ecopista do Dão (que passa também pelos concelhos de Tondela e Santa Comba Dão).

Segundo Rogério Abrantes e atendendo ao percurso de sucesso da ecopista do Dão e de tudo o que ele representa em termos de turismo de natureza, o projeto de transformação da antiga linha do Vouga em ecopista tornou-se numa aspiração, não apenas dos municípios incluídos neste eixo e de toda a região, mas também entre os adeptos deste tipo de oferta.

O projeto – que prevê uma intervenção em 56 quilómetros (alguns troços estão já construídos) - representa um investimento de mais de três milhões de euros, apoiado pelo do Turismo de Portugal em dois milhões de euros, no âmbito do programa Valorizar.

O traçado inclui oito túneis, pontes e uma passagem hidráulica, onde vão ser gastos  mais de 495 mil euros, segundo a Lusa.

No entender do presidente da CIM, a ecopista do Vouga vai valorizar o património natural, cultural e paisagístico da região, ao mesmo tempo que preserva a identidade e aviva a memória coletiva, devolvendo uma infraestrutura histórica às populações.

“A futura ligação da ecopista do Dão à ecopista do Vouga num corredor único, num total de 115 quilómetros de via ciclável, configura-se como um pilar estratégico para o reforço da promoção, dinamização e valorização da oferta turística regional e nacional”, frisou o mesmo responsável.

Aproveitando a presença da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, na cerimónia, Rogério Abrantes reiterou a necessidade de a CIM “ver reforçado o apoio, a fundo perdido, pelo Turismo de Portugal, para a concretização deste projeto”.

O autarca referiu que se trata de “um esforço financeiro incomportável a contrapartida municipal dos quatro municípios” e lembrou que a empreitada contempla cerca de meio milhão de euros “em requalificação de património do Estado, neste caso, das Infraestruturas de Portugal”, concretamente na intervenção das pontes e túneis da antiga Linha do Vouga.

De salientar que em S. Pedro do Sul esta intervenção engloba uma extensão de 8 km e contabiliza um investimento de 500 mil euros comparticipado em 285 mil euros.