Sensor para evitar falta de civismo em estacionamentos de Viseu

2020-10-15

Sensor para evitar falta de civismo em estacionamentos de Viseu

Segundo Almeida Henriques, a medida está a ser articulada, não estava no caderno de encargos, mas foi um desafio que lançou  à empresa de concessão, no sentido de ser um processo diferenciador de Viseu. “Um processo de integração de pessoas com deficiência e evitar que abusivamente alguns cidadãos utilizem os lugares destinados a deficientes para seu próprio estacionamento”, justificou o edil.

O autarca explicou aos jornalistas, após a reunião do executivo municipal, que o sistema que vai ser instalado nos parques de estacionamento que estão a ser criados e reabilitados na cidade “tem uma filosofia muito simples” de funcionamento.

Almeida Henriques disse que, à semelhança do que existe em alguns parques de estacionamento, nomeadamente, de centros comerciais, com a luz verde e vermelha a identificar se o lugar está livre ou ocupado, também o lugar de mobilidade reduzida terá uma cor. “Neste caso, iremos utilizar provavelmente o azul que sinaliza que é um lugar para deficientes e o próprio sensor comunique com o sensor dos utentes que têm o dístico, ou seja, um sensor que a autarquia vai oferecer aos utilizadores residentes no concelho, que vão colocar no dístico para ser identificado” no estacionamento, explicou o edil.

O presidente da Câmara desejou que este programa “possa ser um presente de Natal para as pessoas de mobilidade reduzida do Município”, uma vez que é destinado aos residentes no concelho, embora o autarca não esconda a “expectativa de ver o programa alargado ao país”.