Teatro no Solar do Vinho do Dão

2020-07-03

Teatro no Solar do Vinho do Dão

“Os Guardas do Museu de Bagdad”, encenado por Graeme Pulleyn e ganhou uma nova abordagem devido à covid-19.

Baseado no texto teatral de José Peixoto, que retrata os últimos momentos antes do saque do Museu Nacional do Iraque em Bagdad, durante a guerra de 2003,, o espetáculo vai ser apresentado nas noites de hoje, sábado e domingo.

Este texto foi encenado pela primeira vez há 15 anos, pelo Teatro dos Aloés. Graeme Pulleyn regressou a ele como ponto de partida para uma nova criação e reflexão, por considerar que "muito mudou e muito ficou igual”.

Era na incubadora que deveria realizar-se a estreia do momento final deste processo, mas a pandemia de covid-19 levou a “um novo olhar e uma nova abordagem ao texto”, para que sejam respeitadas as orientações da DGS.

Neste âmbito, o Solar do Vinho do Dão será transformado num museu: “um museu invisível constrói-se a partir de palavras, relatos, memórias, convicções, injustiças, pensamentos e imaginações”.

Os espetadores/visitantes são convidados a entrar neste espaço que não existe e a construí-lo, fazendo-o “viver” durante os breves momentos em que permanecem em cada uma das salas.

Emanuel Santos, Gabriel Gomes, Graeme Pulleyn, Joana Martins e Sofia Moura estarão nestas salas, que “são fantasmas de si próprias, que pairam entre a realidade e a imaginação, povoadas de espetros”.

Produzido pela associação Nicho, “Os Guardas do Museu de Bagdad" é financiado pela Direção Geral da Artes e apoiado pelo município de Viseu.