Cerca de 25 pessoas de Nelas estão  em quarentena devido ao risco de do novo coronavírus

2020-03-27

Cerca de 25 pessoas de Nelas estão  em quarentena devido ao risco de do novo coronavírus

Cerca de 25 pessoas de Nelas estão  em quarentena devido ao risco de
 do novo coronavírus.
Duas dessas pessoas são  os presidentes de Junta e da Câmara de Nelas.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo autarca Borges da Silva, que justificou a medida com o facto de o teste realizado ao seu chefe de gabinete, Luís Pinheiro, ter sido positivo.

Segundo Borges da Silva, no concelho de Nelas há cinco pessoas infetadas, todas na freguesia de Canas de Senhorim.

Contactado pela Lusa, Luís Pinheiro, que é também presidente da Junta de Freguesia de Canas de Senhorim, explicou que chegou a Madrid no dia 05 e regressou a Portugal no dia 09, sem qualquer sintoma. Regressado a Portugal, Luís Pinheiro retomou o seu trabalho e nunca teve sintomas de estar com a covid-19.

“A minha mulher é que se começou a sentir mal, começou a sentir o peito apertado. Esta segunda-feira telefonei para a Saúde 24 e disseram para ir ao hospital. Como tinha de a ir levar e como podia estar infetada e eu estive com ela em casa, também fiz o teste”, contou.

Segundo Luís Pinheiro, as suas análises ao sangue e o exame ao tórax não acusaram nada, mas, na terça-feira, foi surpreendido por um telefonema a informar que o teste ao novo coronavírus tinha dado positivo, até contra-análise, e pediram-lhe para ficar isolado.

“Estou em teletrabalho, num quarto com casa de banho, e a minha mulher (que afinal não estava infetada) é que vai tratando de mim de longe. Estou bem, não tenho febre, nem nada, a única coisa que tenho é uma tristeza muito grande pelo chorrilho de mentiras e pelo aproveitamento político que há à volta disto”, lamentou.

Desde o regresso de Madrid, Luís Pinheiro reuniu com os presidentes de Junta, no final da semana passada, e com Borges da Silva e os coordenadores dos vários setores da Câmara, na segunda-feira de manhã (o teste foi feito à tarde).

“Eu continuei a trabalhar - e continuo, embora em teletrabalho, porque estando com a parte da ação social tinha que andar no terreno a ver as necessidades das pessoas”, justificou.

Borges da Silva contou à Lusa que “houve uma reunião com os presidentes de Junta para lhes dar conta do acionamento do plano de emergência municipal e do conjunto de medidas que estavam a ser tomadas” e que Luís Pinheiro “estava a preparar a resposta que a Câmara tinha que dar, de retaguarda social, aos casos de diagnóstico
positivo”.

Segundo o autarca, no que respeita aos coordenadores, na segunda-feira houve três reuniões do plano de contingência “com vista a definir as medidas que estavam pedidas relativamente a cada um dos setores da Câmara”, mas “com as mesmas pessoas”.

Borges da Silva sublinhou que, “nos últimos 15 dias, a Câmara tem estado praticamente a trabalhar em teletrabalho e, portanto, no edifício multiúsos não estava praticamente ninguém e no edifício da Câmara estavam seis a oito pessoas”.