Viseu: Com Portugal em Estado de Emergência

2020-03-19

Viseu: Com Portugal em Estado de Emergência

O Executivo municipal de Viseu vai passar a reunir por videoconferência

Ontem, a reunião ainda foi  presencial, mas cumprindo medidas preventivas da propagação do novo coronavírus, como a higienização e distanciamento dos seus titulares.

Em comunicado, o executivo refere que a reunião ordinária "decorreu sem público, no Salão Nobre", tendo sido antecipada para esta quarta-feira, "no âmbito da gestão do estado de alerta municipal e do Plano Municipal de Emergência ativado na passada segunda-feira".

Durante a reunião, o presidente da autarquia, disse aos vereadores que "o município vai continuar a garantir os serviços essenciais à segurança e bem-estar da população, como sejam os de fornecimento de água e saneamento, limpeza urbana e recolha dos resíduos sólidos urbanos, tratamento de jardins, Bombeiros Sapadores e Policia Municipal, apoio social e informação ao público".

Está ainda a ser assegurado "o funcionamento de estabelecimentos de ensino para receber os filhos até aos 12 anos dos que cumprem trabalhos indispensáveis no combate à crise. Ao mesmo tempo  "estão a ser asseguradas as refeições escolares para os mais carenciados", acrescenta a edilidade em comunicado.

Um dos assuntos que estava em cima da mesa da reunião de ontem era a aprovação da adjudicação da empreitada de requalificação do Bairro Municipal, conhecido por Bairro da Cadeia, no valor de 6,3 milhões de euros e que tem um prazo de execução de 16 meses.

Segundo a autarquia, este é o culminar de um processo amplamente participado, no qual as 42 famílias que atualmente residem no bairro tiveram uma palavra activa.

A empreitada prevê a reabilitação de 81 edifícios, sendo 42 para atuais moradores, 30 para colocar a concurso para jovens casais, com renda condicionada, um para alojamento temporário de famílias em risco, um para a Casa da Memória e dois para serviços.




Câmara de Resende isenta consumidores do pagamento de água  e da recolha de resíduos sólidos para todos os consumidores comerciais e industriais, nesta altura de pandemia

Em comunicado, a autarquia justifica a medida com o facto de a população deste concelho se encontrar, "quase na sua totalidade, a cumprir isolamento voluntário", de "as empresas estarem a ser condicionadas e se prever que surjam medidas ainda mais restritivas relativamente à circulação de pessoas e funcionamento de estabelecimentos comerciais".

A autarquia decidiu também aplicar a mesma isenção "ao pagamento das rendas inerentes à exploração dos estabelecimentos concessionados pelo município".

"Estas isenções são aplicadas até 30 de junho, sem prejuízo do que for decidido 'à posteriori'. É absolutamente fundamental a preservação do tecido empresarial como salvaguarda à atividade económica concelhia e da empregabilidade", considera.