Relatório de fogo em São Pedro do Sul retido na gaveta

2018-03-15

Relatório de fogo em São Pedro do Sul retido na gaveta

O relatório sobre o incêndio que durante uma semana fustigou a floresta em Arouca e São Pedro do Sul, em agosto de 2016, esteve retido numa gaveta do Ministério da Administração Interna "durante nove meses" e só agora foi conhecido "após muita pressão".

"Só peca por tardio", referiu esta quarta-feira Vítor Figueiredo, presidente da Câmara de São Pedro do Sul, lamentando que só a partir de agora "as conclusões possam servir de exemplo para situações do género".

Segundo apuraram os inspetores que realizaram o inquérito, os meios de combate ao fogo "eram insuficientes". Verificou-se também "uma falta de coordenação entre os comandantes distritais de operações de socorro de Aveiro e Viseu" que "não tiveram a perceção de que os incêndios de Arouca e São Pedro do Sul eram um só".

Estes dois responsáveis só não são alvo de um processo disciplinar porque já não ocupam o cargo. As conclusões do inquérito já foram enviadas para a Autoridade Nacional de Proteção Civil e para o Ministério Público que decidirá se há matéria criminal para abrir um eventual processo criminal.

"O que eu queria era que a culpa não morresse solteira.

A partir daí o assunto é de outras instâncias", adiantou o autarca, Vítor Figueiredo. O especialista em incêndios florestais, Domingos Xavier Viegas, disse esta quarta-feira na Assembleia da República que a prestação do socorro médico falhou no fogo de Pedrógão

Grande por falta de uma entidade para coordenar a busca e salvamento.

(CM)