PSD/Guarda considera relevante início das obras na linha da Beira Baixa

2018-03-06

PSD/Guarda considera relevante início das obras na linha da Beira Baixa

Em comunicado hoje divulgado, com o título "Ferrovia - Será desta?", o presidente da Comissão Política Distrital do PSD da Guarda, Carlos Peixoto, refere que o Governo anunciou na segunda-feira, "com a habitual pompa" e em "segundas núpcias", o início das obras de requalificação da linha ferroviária "que estão paradas há cerca de 10 anos".

Segundo a nota, o ministro do Planeamento garantiu "que agora é que é, e que tudo estará pronto (ou quase!) no segundo semestre de 2019".

"Não era a primeira vez que o que está para ser deixa de o ser, mas não há razões para duvidar que, desta vez, será mesmo de vez, ainda que há apenas 15 dias uma análise publicada na imprensa tivesse dado conta de que o 'Ferrovia 2020' só tem 15% das obras prometidas no terreno", assinala a nota.

Para a distrital do PSD, "o distrito da Guarda, a região e o país já mereciam este bom avanço, que deve deixar todos satisfeitos".

"Não se trata apenas de um salto na coesão territorial, aproximando o porto de Sines, no sul, e a grande área metropolitana de Lisboa, ao interior do país. Trata-se também de estabelecer uma ligação transfronteiriça que nos coloque na rota da Europa", sublinha o partido.

Para a mesma estrutura do PSD, "o passo é relevante, mas só ficará completo se o Governo (e outros que lhe sucedam), transformar a Guarda num dos mais estratégicos eixos ferroviários do país, fazendo emergir no seu seio uma plataforma de duas modernas e competitivas linhas ferroviárias, a da Beira Baixa, que agora se renova, e a da Beira Alta, que se mantém quase inoperacional, com descarrilamentos de comboios e aluimentos de terras em barda".

O partido lembra que o atual Governo já prometeu a requalificação da "deprimida e anacrónica linha da Beira Alta, que designou por Corredor Internacional Norte e no qual seriam investidos 691 milhões de euros, com 251 quilómetros de trabalhos que já deveriam estar a decorrer".

"A verdade é que ainda não há nenhuma adjudicação assinada e o pior que pode acontecer a Portugal é que este projeto fique no impasse tanto tempo quanto ficou o da Linha da Beira Baixa", vaticina.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve na segunda-feira, na Covilhã, onde decorreu a cerimónia do ato de consignação da empreitada da Linha da Beira Baixa e o lançamento dos trabalhos, que incluem a construção da Concordância das Beiras, troço de ligação entre a Linha da Beira Alta e a Linha da Beira Baixa.

O investimento total no projeto de modernização deste troço é de cerca de 77 milhões de euros, 52 milhões dos quais respeitantes à obra física, que permitirá reabrir um troço que estava fechado desde 2009.

(DN)